Komsomolsk-on-Amur: Kim Jong Un visita fábrica de caças na Rússia enquanto Putin aceita convite para ir à Coreia do Norte



CNN

O líder norte-coreano Kim Jong Un continuou a falar Uma longa viagem à Rússia Na sexta-feira, seguiu-se uma visita a uma fábrica de aviões na cidade oriental de Komsomolsk-on-Amur, segundo a mídia estatal russa, depois que ambos os lados afirmaram que a cooperação militar era possível.

A instalação é a maior fábrica de aeronaves do país e constrói e fabrica caças para o Ministério da Defesa. Su-35S e caças Su-57, informou a mídia estatal TASS.

Segundo a mídia estatal russa RIA Novosti, as imagens mostram Kim e sua delegação e o interior de um caça a jato na fábrica de aeronaves Yuri Gagarin Komsomolsk-on-Amur (KnAAZ), em homenagem ao famoso cosmonauta russo.

Kim foi acompanhado na viagem pelo prefeito da cidade, Alexander Zornik, e pelo governador da região de Khabarovsk, Mikhail Dektyarev.

O líder norte-coreano deverá visitar a cidade portuária de Vladivostok, onde verá as capacidades militares da Frota Russa do Pacífico, disse o presidente russo, Vladimir Putin, à agência de notícias estatal Russia 1.

A visita a locais importantes na região do Extremo Oriente russo ocorreu depois que Putin disse que a Rússia estava considerando Discute alguma cooperação militar Após a cimeira, Kim pareceu apoiar a guerra de Moscovo contra a Ucrânia e a Coreia do Norte.

A reunião de cinco horas de quarta-feira no Cosmódromo de Vostochny sinalizou laços mais estreitos entre os dois países, ambos os quais enfrentam isolamento internacional – de Moscovo por causa do seu programa de armas nucleares e mísseis balísticos para a invasão da Ucrânia e de Pyongyang.

O Kremlin disse quinta-feira que Putin aceitou o convite de Kim para visitar a Coreia do Norte e que o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, também visitaria o país em outubro, segundo o porta-voz Dmitry Peskov.

READ  Taylor Swift e Travis Kelce compartilham um doce momento de PDA durante uma festa pós-jogo

PA

O trem particular do líder norte-coreano Kim Jong Un foi localizado na estação ferroviária de Komsomolsk-on-Amur, no Extremo Oriente russo, em 15 de setembro.

Questionado se os dois líderes discutiram a cooperação militar e técnica durante as conversações, Peskov disse que se tratava de uma “esfera sensível de cooperação” e reiterou o compromisso de Moscovo em desenvolver ainda mais os laços com Pyongyang.

Os esforços para expressar essa relação estreita foram plenamente evidenciados durante a cimeira. Peskov disse que Putin também presenteou Kim com uma luva de traje espacial e uma carabina de alta qualidade produzida internamente – um tipo de rifle – projetada por artesãos norte-coreanos.

Num jantar de Estado com Putin na quarta-feira, Kim prometeu estabelecer uma “nova era de amizade de 100 anos” entre os dois países.

Semanas antes da cimeira, responsáveis ​​norte-americanos alertaram que a Rússia e a Coreia do Norte estavam a “avançar ativamente” num potencial acordo de armas que poderia levá-los a fornecer armas para utilização na guerra vacilante de Moscovo na Ucrânia, em troca de tecnologia de mísseis balísticos sancionada.

Perguntaram a Putin se ele discutiu a cooperação técnico-militar com Kim durante a reunião de líderes. Em resposta, Putin reconheceu que havia algumas restrições e disse que Moscovo as cumpriria integralmente. Mas ele disse que havia áreas abertas para discussão e consideração e sugeriu possíveis pontos de colaboração.

PA

A carreata de Kim Jong Un parte da estação ferroviária de Komsomolsk.

“Estou confiante de que o povo russo e os seus militares vencerão a luta para punir as forças do mal que perseguem a hegemonia e o expansionismo”, disse Kim antes de brindar num jantar de Estado com Putin.

READ  Pence suspende candidatura à Casa Branca

Sem nomear a Ucrânia, Kim disse que “os militares russos e o seu povo herdarão um legado brilhante de vitória” e provarão a sua reputação na linha da frente das “operações militares”.

“Estarei sempre ao lado da Rússia”, disse Kim, elogiando Moscovo por “se levantar contra as potências hegemónicas” para defender a sua soberania e segurança, numa referência implícita aos Estados Unidos e ao Ocidente.

Em troca, Putin expressou a sua vontade de ajudar a desenvolver o programa espacial e de satélites da Coreia do Norte.

Na quinta-feira, um conselheiro presidencial ucraniano classificou as negociações como “uma manifestação de impotência” e disse que a Ucrânia estava “levando muito a sério as ações de Moscou e Pyongyang e fazendo seus próprios cálculos”.

“O pedido de ajuda de Moscou à Coreia do Norte é certamente uma fonte de piadas, uma expressão da impotência da Rússia e um julgamento sobre a política de 23 anos de Putin”, disse Mykhailo Podoliak, conselheiro do chefe do gabinete presidencial da Ucrânia. Anteriormente conhecido como Twitter.

A cooperação militar entre a Rússia e a Coreia do Norte não é nova, disse o serviço de inteligência de defesa da Ucrânia na quarta-feira. As autoridades ucranianas já estão cientes dos pedidos russos de artilharia e projéteis MLRS (Multiple Launch Rocket Systems), Andriy Yusov, representante da inteligência de defesa, disse à mídia estatal ucraniana em uma entrevista.

“Não podemos ignorar isso. Infelizmente isso será sentido como um fator importante no campo de batalha, mas neste cenário não é novidade. Este é um cenário, uma reação sobre a qual a Ucrânia agirá”, disse Yusov.

“Há muito que confirmamos que as armas fornecidas pela Coreia do Norte foram usadas pela Rússia no campo de batalha da Ucrânia”, disse um funcionário do gabinete presidencial da Coreia do Sul quando questionado, numa reunião informativa, se a Coreia do Norte estava a fornecer foguetes a Moscovo.

READ  Lisa Murkowski, alinhada a Trump, não descarta deixar o Partido Republicano

A administração Biden acredita que a Coreia do Norte forneceu foguetes e mísseis antipessoal para uso na Ucrânia pelo mercenário russo Wagner no ano passado.

Entretanto, os conselheiros de segurança nacional dos Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão alertaram conjuntamente na quinta-feira sobre possíveis violações das sanções internacionais por parte da Coreia do Norte e da Rússia.

De acordo com um comunicado emitido pelo gabinete presidencial da Coreia do Sul, os três países afirmaram que haveria “consequências claras” se algum país violasse as suas obrigações ao abrigo das resoluções e sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, particularmente no comércio de armas e militar. Cooperação.

“Apesar dos repetidos avisos da comunidade internacional, os três países expressaram sérias preocupações sobre as discussões entre os dois líderes que cobrem temas relacionados com a cooperação militar, incluindo o desenvolvimento de mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs)”, afirmou o comunicado.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *