Exclusivo: Xi da China provavelmente pulará a cúpula do G20 na Índia

O presidente chinês, Xi Jinping, participa da Cúpula do BRICS de 2023 no Centro de Convenções Sandton, em Joanesburgo, África do Sul, em 23 de agosto de 2023. REUTERS/Foto de arquivo de GIANLUIGI GUERCIA/Pool Obtenha direitos de licença

NOVA DÉLHI/PEQUIM (Reuters) – O presidente chinês, Xi Jinping, pode faltar à cúpula dos líderes do G20, na próxima semana, na Índia, disseram à Reuters fontes familiarizadas com o assunto na Índia e na China.

Espera-se que dois responsáveis ​​indianos, um embaixador baseado na China e um funcionário que trabalha para o governo de outro país do G20, representem Pequim na reunião de 9 a 10 de Setembro em Nova Deli.

Porta-vozes dos ministérios das Relações Exteriores da Índia e da China não responderam aos pedidos de comentários.

A cimeira na Índia foi vista como um local para Xi se encontrar com o presidente dos EUA, Joe Biden, que confirmou a sua visita, enquanto as duas superpotências procuram estabilizar os laços prejudicados por uma série de tensões comerciais e geopolíticas.

Xi encontrou-se com Biden pela última vez em novembro passado, à margem da cimeira do G20 em Bali, na Indonésia.

O presidente russo, Vladimir Putin, já anunciou que não viajará para Nova Deli e, em vez disso, enviará o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov.

Um alto funcionário do governo da anfitriã Índia disse à Reuters que “sabemos que o primeiro-ministro virá” para substituir Xi.

Na China, dois diplomatas estrangeiros e um funcionário do governo de outro país do G20 disseram que Xi não viajaria para a cimeira.

Fontes na China, duas das quais afirmaram ter sido informadas por autoridades chinesas, disseram não saber o motivo da sua atitude inesperada.

READ  Eurovisão 2023: Final inspirada na Ucrânia arranca em Liverpool

Todos os funcionários falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizados a falar com a mídia.

A antecipação de uma reunião entre Xi e Biden foi alimentada por uma série de autoridades norte-americanas de alto nível que visitaram Pequim nos últimos meses, incluindo uma viagem da secretária do Comércio, Gina Raimondo, no início desta semana.

Outra cimeira agendada para conversações presenciais entre os dois líderes é a reunião dos líderes da Cooperação Económica Ásia-Pacífico, em São Francisco, de 12 a 18 de Novembro.

Xi, que tomou posse para um terceiro mandato em outubro passado, fez poucas viagens ao exterior desde que a China abandonou abruptamente os controles fronteiriços desencadeados por uma grave pandemia este ano.

No entanto, ele participou de uma reunião de líderes do grupo BRICS das principais economias emergentes, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, na África do Sul, na semana passada.

Várias reuniões ministeriais do G20 na Índia antes da cimeira foram controversas, uma vez que a Rússia e a China se opuseram conjuntamente a declarações conjuntas que incluíam passagens condenando a agressão de Moscovo contra a Ucrânia no ano passado.

Xi e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, mantiveram uma rara conversa à margem da reunião dos BRICS em Joanesburgo e discutiram a redução das tensões na relação bilateral após confrontos na fronteira do Himalaia em 2020, que mataram 24 soldados.

Reportagem de Krishnan Kaushik em Nova Delhi e Larry Chen e Martin Quinn Pollard em Pequim; Edição de YP Rajesh, John Geddy e Raju Gopalakrishnan

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Krishnan relata assuntos políticos e estratégicos do subcontinente indiano. Anteriormente trabalhou para o Organized Crime and Corruption Reporting Project, um consórcio investigativo internacional; Expresso Indiano; E The Caravan escreve sobre jornalismo, segurança, política, direito, corporações, mídia, eleições e programas investigativos. Formado pela Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, Krishnan ganhou vários prêmios por seu trabalho. Contato: +918527322283

READ  O republicano McCarthy dos EUA pede apoio ao acordo do teto da dívida antes da votação principal

Larry Chen é correspondente da China no escritório da Reuters em Pequim, cobrindo política e assuntos públicos. Antes de ingressar na Reuters, ele fez reportagens sobre a China durante seis anos na Agence France-Presse e no South China Morning Post em Hong Kong. Ela fala mandarim fluentemente.

Martin é repórter político e de assuntos públicos baseado em Pequim (China). Ele já trabalhou como repórter de televisão e videojornalista e é fluente em mandarim e francês.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *