Os confrontos intensificam-se em Gaza à medida que as forças israelitas expandem a ofensiva terrestre

  • Desenvolvimentos recentes
  • 20 palestinos mortos em confrontos com forças israelenses em Gaza, dizem autoridades médicas palestinas
  • 600 alvos atingidos em Gaza – militares israelenses
  • Quatro palestinos mortos em ataque israelense na Cisjordânia – Ministério da Saúde palestino
  • Israel ataca o norte de Gaza com pesados ​​ataques aéreos e de artilharia

GAZA (Reuters) – Palestinos em Gaza relataram pesados ​​ataques aéreos e de artilharia na manhã desta segunda-feira, enquanto tropas israelenses avançavam no enclave com uma ofensiva terrestre apoiada por tanques, gerando apelos internacionais para proteger os civis.

Os militares israelitas afirmaram ter atingido 600 alvos militantes nos últimos dias, continuando a expandir as operações terrestres na Faixa de Gaza, onde os civis palestinianos precisam desesperadamente de combustível, alimentos e água potável à medida que o conflito entra na sua quarta semana.

“As tropas das FDI mataram dezenas de terroristas que se defenderam em edifícios e túneis e tentaram atacar as tropas”, afirmou o exército num comunicado.

Os ataques aéreos israelenses atingiram áreas próximas aos hospitais al-Shifa e al-Quds, em Gaza, e militantes palestinos entraram em confronto com as forças israelenses na área fronteiriça a leste da cidade de Khan Younis, no sul, informou a mídia palestina.

Autoridades médicas em Gaza disseram que pelo menos 20 palestinos foram mortos e dezenas ficaram feridos durante a noite, enquanto as forças terrestres israelenses avançavam para o enclave costeiro vindas de várias direções.

Moradores relataram ter ouvido tiros e explosões durante a noite. Os grupos islâmicos Hamas e Jihad Islâmica disseram que os seus membros estavam envolvidos em combates com as forças israelitas em Gaza e na cidade de Jenin, na Cisjordânia.

A Reuters não pôde confirmar de forma independente estes relatórios.

Dois dias depois de o governo israelita ter ordenado a expansão das incursões terrestres, Israel divulgou imagens de tanques de batalha na Cisjordânia de Israel, num sinal de uma possível tentativa de cercar a principal cidade de Gaza. Algumas imagens publicadas online mostram soldados israelenses agitando uma bandeira israelense nas profundezas de Gaza. A Reuters não conseguiu verificar as imagens.

READ  Administração Biden examina provisão de compensação para voos cancelados

A autoproclamada “fase dois” de Israel da sua guerra de três semanas contra os militantes do Hamas apoiados pelo Irão tem sido amplamente protegida da vista do público, com tropas a movimentar-se no escuro e cortes de telecomunicações isolando os palestinianos.

Os cortes de telefone e internet pareciam ter diminuído no domingo, mas o provedor de telecomunicações Baltel disse que os ataques aéreos israelenses interromperam novamente o serviço de internet e telefone em partes do norte de Gaza, onde ficam os centros de comando do Hamas.

Estas interrupções prejudicaram gravemente a recuperação dos mortos na barragem israelita.

Os ataques perto de hospitais foram anunciados depois que a Cruz Vermelha Palestina disse no domingo que havia sido avisada pelas autoridades israelenses para evacuar imediatamente o hospital al-Quds, que abriga cerca de 14 mil pessoas.

Israel acusou o Hamas de localizar centros de comando e outras infra-estruturas militares em hospitais de Gaza, o que o grupo nega.

Autoridades palestinas dizem que cerca de 50 mil pessoas se refugiaram no Hospital Al-Shifa.

Israel reforçou o cerco e o bombardeamento de Gaza desde que os militantes do Hamas entraram em Israel em 7 de Outubro. Autoridades israelenses dizem que os militantes mataram cerca de 1.400 pessoas e fizeram pelo menos 239 reféns.

Os militares intensificaram as operações contra grupos islâmicos na Cisjordânia, matando dezenas de palestinos e prendendo centenas.

Quatro pessoas foram mortas em um ataque das forças de segurança israelenses na cidade ocupada de Jenin, na Cisjordânia, na manhã de segunda-feira, disse o Ministério da Saúde palestino.

READ  Plano da NASA de retornar à Lua dá certo

Pedidos de suspensão

A intensificação dos ataques coincidiu com os apelos internacionais por uma “pausa humanitária” para permitir a ajuda.

As negociações mediadas pelo Catar entre Israel e o Hamas continuaram no domingo, disse uma fonte próxima às negociações à Reuters, e incluíram discussões sobre a libertação de reféns.

O Hamas quer uma pausa humanitária de cinco dias nas operações israelenses para permitir a entrada de armas e combustível na sitiada Faixa de Gaza, em troca da libertação de todos os civis mantidos reféns pelos militantes, disse a fonte, falando sob condição de anonimato.

Segundo o governo israelita, mais de metade dos reféns do Hamas possuem passaportes estrangeiros de 25 países, incluindo 54 cidadãos tailandeses.

Na segunda-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas deverá dar um briefing sobre a situação humanitária em Gaza. O órgão de 15 membros falhou quatro vezes nas últimas duas semanas, mas a Assembleia Geral da ONU, composta por 193 membros, votou na sexta-feira a favor de um cessar-fogo humanitário imediato.

O presidente dos EUA, Joe Biden, pressionou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para proteger os civis em Gaza e “aumentar imediata e significativamente o fluxo de ajuda humanitária” no domingo, disse a Casa Branca.

O coronel Elad Goran, do COGAT, uma agência do Ministério da Defesa israelense que coordena com os palestinos, disse que Israel permitiria um aumento dramático na ajuda a Gaza nos próximos dias e que os civis palestinos deveriam se mudar para uma “zona humanitária” no sul. Território pequeno.

Autoridades médicas em Gaza, um país de 2,3 milhões de habitantes, disseram no domingo que 8.005 pessoas – incluindo 3.324 menores – foram mortas.

O gabinete de comunicação social do governo de Gaza, controlado pelo Hamas, disse que 116 médicos e 35 jornalistas foram mortos desde o início do conflito.

READ  Onda de calor nos EUA: temperaturas 'perigosas' podem estabelecer novos recordes

A Reuters não pôde verificar esses números de forma independente.

Israel prometeu acabar com o Hamas, que descreve como exigindo ofensivas terrestres sustentadas em torno e sob a Cidade de Gaza, onde os militantes têm uma vasta rede de bunkers subterrâneos.

Há também receios de que a guerra possa alastrar à região, incluindo o Líbano, onde os militares israelitas e o grupo Hezbollah, apoiado pelo Irão, trocam tiros.

Na segunda-feira, a televisão estatal síria disse que os ataques aéreos israelenses contra duas posições militares em Daraa levaram a “algumas perdas materiais”.

O conflito provocou manifestações massivas em todo o mundo em apoio aos palestinos. Vários milhares de pessoas manifestaram-se em Beirute no domingo para mostrar solidariedade com Gaza.

Autoridades russas disseram que a polícia tomou um aeroporto na região de maioria muçulmana do Daguestão e prendeu 60 pessoas depois que centenas de manifestantes anti-Israel cercaram a instalação quando um voo de Israel chegou no domingo.

Reportagem de Nidal al-Mughrabi, Yomna Ehab, James Mackenzie, Dan Williams e Jonathan Landay; Por David Lauder e Stephen Coates; Edição de Clarence Fernandez e Miral Fahmy

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Um repórter veterano com quase 25 anos de experiência na cobertura do conflito palestino-israelense, incluindo diversas guerras e a assinatura do primeiro acordo de paz histórico entre os dois lados.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *