Onde acontecem os abortos? Novo estudo rastreia tendências pós-Roe: visualizações

As pessoas que buscam o aborto ficam “altamente motivadas” para viajar se não conseguirem fazer um aborto no local onde moram.

Esta é uma decisão Pesquisa do Instituto GoodmacherGrupo de pesquisa e política que apoia os direitos reprodutivos.

Aqui está uma descoberta surpreendente: em Illinois, ocorreram 18.300 abortos a mais no primeiro semestre deste ano do que em 2020.

“Se você está interessado em saber para onde as pessoas estão indo, acho que esses números contam uma grande parte da história porque refletem muitas pessoas que viajam”, diz ele. Isaac Maddo-ZimetCientista de dados do Instituto Guttmacher.

Illinois já realizou muitos abortos no passado, e o número aumentou 69%.

“Acho que o aumento percentual é importante porque fala da capacidade dos prestadores de prestar cuidados”, diz ele.

No Novo México, o número de abortos aumentou 220%.

Tanto o Novo México como o Illinois aprovaram leis para proteger o acesso ao aborto. Sua geografia é outro fator importante.

“Estamos vendo aumentos realmente grandes no número de estados que proíbem a fronteira”, diz Maddow-Zimet.

Houve também pequenos aumentos em estados que fazem fronteira com estados de proibição que não se estabeleceram como refúgios de acesso, incluindo Montana e Wyoming, que fazem fronteira com as Dakotas. Ohio, que tem sua própria proibição em vigor, teve um ligeiro aumento. Faz fronteira com Kentucky e Virgínia Ocidental, que não têm acesso ao aborto.

Os estados com proibição do aborto permitem um número muito limitado de abortos se certas exceções forem atendidas. No Texas, por exemplo, este ano, ocorreram em média quatro abortos por mês — e em 2020, esse número era de 4.800 por mês. (Um processo alega que a exceção de emergência médica do Texas é muito restrita e impede ou atrasa os cuidados médicos indicados.)

READ  William Lewis foi nomeado editor e CEO do The Washington Post

Para estimar como o número de abortos mudou em cada estado, Guttmacher retirou dados de uma amostra de prestadores de cada mês e combinou-os com dados históricos do número de casos para criar um modelo que estimou o número de abortos de Janeiro a Junho do ano em curso. Depois, para cada estado, os investigadores compararam essa estimativa com o número de abortos realizados em 2020 e dividiram por dois para representar um período comparável de seis meses.

Uma grande ressalva desta pesquisa é que ela mede apenas os abortos ocorridos em clínicas, hospitais e consultórios médicos, diz Maddow-Zimet. “Não estamos tentando medir o número de abortos autoadministrados, por exemplo, encomendando comprimidos em uma farmácia fora dos Estados Unidos ou adquirindo-os em uma rede social”, diz ele.

Ele também observa que nem todas as mudanças podem ser diretamente atribuídas à anulação da decisão do Supremo Tribunal no ano passado. Roe v.. “2020 foi há muito tempo e muita coisa aconteceu desde então”, diz ele. A pandemia cobiçosa, a expansão da telessaúde e o aumento geral de abortos que já começaram são, sem dúvida, a forma como os números de aborto nos estados mudaram em graus variados.

Gutmacher colocou todos esses dados online e planeja atualizá-los quase em tempo real, diz Maddo-Gimet. Novas proibições em Indiana e na Carolina do Sul e uma proibição de 12 semanas na Carolina do Norte divulgarão em breve dados que mostram como as pessoas estão se deslocando pelo país para ter acesso ao aborto.

Editado por Diane Webber; Gráficos de Alison Hurt

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *