Hubble espia mudanças espetaculares de estações em Júpiter e Urano

Nesta imagem cativante, os vibrantes topos das nuvens de Júpiter são interrompidos pela lua laranja Io, lançando uma sombra em direção à borda oeste do planeta. A notável resolução do Hubble nos permite observar a superfície manchada de laranja de Io, que é atribuída aos seus numerosos vulcões ativos. Essas maravilhas ardentes foram reveladas pela primeira vez em 1979 durante o sobrevôo da Voyager 1. Sob sua fina crosta, o interior de Io é engolfado por material derretido ejetado periodicamente por vulcões. A variada paleta de cores da superfície de Io surge da reação do enxofre a temperaturas variadas, resultando em uma visão hipnotizante. Crédito: Ciência: NASA, ESA, STScI, Amy Simon (NASA-GSFC), Michael H. Wong (UC Berkeley), Processamento de imagens: Joseph DePasquale (STScI)

Previsão de ar nebuloso, poluição, etc.

Planetas exteriores além[{” attribute=””>Mars do not have solid surfaces to affect weather as on Earth. And, sunlight is much less able to drive atmospheric circulation. Nevertheless, these are ever-changing worlds. And Hubble – as interplanetary meteorologist – is keeping track, as it does every year. Jupiter’s weather is driven from inside-out as more heat percolates up from its interior than it receives from the Sun. This heat indirectly drives color change cycles highlighting a system of alternating cyclones and anticyclones. Uranus has seasons that pass by at a snail’s pace because it takes 84 years to complete one orbit about the Sun. The seasons are extreme because Uranus is tipped on its side. As summer approaches in the northern hemisphere, Hubble sees a growing polar cap of high-altitude photochemical haze that looks similar to the smog over cities on Earth.

Hubble Monitors Changing Weather and Seasons at Jupiter and Uranus

Ever since its launch in 1990, NASA’s Hubble Space Telescope has been an interplanetary weather observer, keeping an eye on the largely gaseous outer planets and their ever-changing atmospheres. NASA spacecraft missions to the outer planets have given us a close-up look at these atmospheres, but Hubble’s sharpness and sensitivity keeps an unblinking eye on a kaleidoscope of complex activities over time. In this way Hubble complements observations from other spacecraft such as Juno, currently orbiting Jupiter; the retired Cassini mission to Saturn, and the Voyager 1 and 2 probes, which collectively flew by all four giant planets between 1979 and 1989.

Inaugurated in 2014, the telescope’s Outer Planet Atmospheres Legacy (OPAL) Program has been providing us with yearly views of the giant planets. Here are some recent images:

Jupiter November 2022 January 2023

Hubble Space Telescope images of Jupiter taken on November 12, 2022 (left) and January 6, 2023 (right). Credit: Science: NASA, ESA, STScI, Amy Simon (NASA-GSFC), Michael H. Wong (UC Berkeley), Image Processing: Joseph DePasquale (STScI)

Jupiter

[left]– A previsão para quinta-feira é de tempo tempestuoso nas baixas latitudes do norte. Uma sequência proeminente de tempestades alternadas é visível, formando uma “rua de vórtice”, como alguns astrônomos planetários a chamam. É um padrão de onda de anticiclones e ciclones aninhados, travados juntos como uma máquina com engrenagens alternadas movendo-se no sentido horário e anti-horário. Se as tempestades se aproximarem, no caso improvável de uma fusão, elas poderiam criar uma tempestade ainda maior que rivalizaria com o tamanho atual da Grande Mancha Vermelha. Um padrão escalonado de anticiclones e ciclones impede a fusão de tempestades individuais. A atividade também é vista nessas tempestades; Na década de 1990, o Hubble não viu tornados ou anticiclones de tempestade, mas essas tempestades surgiram na última década. Fortes diferenças de cores indicam que o Hubble está observando diferentes alturas e profundidades de nuvens.

A lua laranja Io bombardeia essa visão das nuvens multicoloridas de Júpiter, lançando uma sombra em direção ao flanco oeste do planeta. A resolução do Hubble é tão nítida que pode ver a aparência laranja manchada de Io associada a seus muitos vulcões ativos. Esses vulcões foram descobertos pela primeira vez em 1979 pela espaçonave Voyager 1. O interior derretido da lua é coberto por uma fina crosta através da qual os vulcões expelem material. O enxofre assume cores diferentes em diferentes temperaturas, e é por isso que a superfície de Io é tão colorida. Esta foto foi tirada em 12 de novembro de 2022.

[right]—A famosa Grande Mancha Vermelha de Júpiter é central para esta visão. Embora esse vórtice seja grande o suficiente para engolir a Terra, na verdade ele encolheu em uma extensão menor do que as observações observadas de 150 anos atrás. A lua gelada de Júpiter, Ganimedes, pode ser vista transitando pelo planeta gigante no canto inferior direito. Um pouco maior que Mercúrio, Ganimedes é a maior lua do Sistema Solar. É um mundo de crateras com uma superfície predominantemente de gelo de água com fluxos glaciais aparentes impulsionados pelo calor interno. (Júpiter estava a 81.000 milhas da Terra quando a foto foi tirada, então esta imagem é menor). Esta foto foi tirada em 6 de janeiro de 2023.

Urano 2014 2022

Imagens do Telescópio Espacial Hubble de Urano tiradas em 9 de novembro de 2014 (à esquerda) e 9 de novembro de 2022. Crédito: Ciência: NASA, ESA, STScI, Amy Simon (NASA-GSFC), Michael H. Wong (UC Berkeley), Processamento de imagens: Joseph DePasquale (STScI)

Urano

Urano, a estranha bola de planetas, não gira verticalmente como a Terra, mas gira de lado ao redor do Sol enquanto segue uma órbita de 84 anos. Urano tem um eixo de rotação “horizontal” inclinado em um ângulo de apenas oito graus em relação ao plano da órbita do planeta. Uma teoria recente propõe que Urano já teve uma grande lua que foi perturbada gravitacionalmente e depois colidiu com ela. Outras possibilidades incluem impactos gigantes durante a formação de planetas ou planetas gigantes exercendo torques vibracionais entre si ao longo do tempo. Os efeitos da inclinação do planeta podem durar até 42 anos, deixando partes de um hemisfério completamente sem luz solar. Quando a Voyager 2 o visitou na década de 1980, o pólo sul do planeta estava apontado quase diretamente para o Sol. A última observação do Hubble mostra que o Pólo Norte agora está inclinado em direção ao Sol.

[left]— Esta é uma visão do Hubble de Urano tirada em 2014, sete anos após o equinócio vernal do norte, quando o Sol brilhou diretamente acima do equador do planeta, e mostra uma das primeiras imagens do projeto OPAL. Muitas tempestades com nuvens de cristais de gelo de metano aparecem nas latitudes do meio do norte acima da atmosfera inferior de cor ciano do planeta. O Hubble tirou uma imagem de ponta do sistema de anéis Em 2007, mas esta visão vê os anéis se abrindo sete anos depois. Nesta época, o planeta tinha muitas pequenas tempestades e até mesmo algumas faixas de nuvens fracas.

[right]– Como visto em 2022, o pólo norte de Urano mostra uma espessa névoa fotoquímica, semelhante à poluição sobre as cidades. Muitas pequenas tempestades podem ser vistas perto da borda da linha de neblina polar. O Hubble está monitorando o tamanho e o brilho da calota do Pólo Norte e está ficando mais brilhante a cada ano. Os astrônomos extraem vários efeitos da circulação atmosférica, propriedades das partículas e processos químicos que controlam como a calota polar atmosférica muda com as estações. No equinócio uraniano de 2007, nenhum dos pólos estava particularmente brilhante. A calota pode ficar ainda mais brilhante à medida que o solstício de verão do norte se aproxima em 2028, e será apontada diretamente para a Terra, permitindo boas vistas dos anéis e do Pólo Norte; A estrutura do anel então aparece no rosto. Esta foto foi tirada em 9 de novembro de 2022.

Sobre o Hubble

O Telescópio Espacial Hubble representa uma colaboração significativa entre a NASA e a ESA, com o Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, supervisionando seu gerenciamento. Explorando os mistérios do espaço, o Space Telescope Science Institute (STScI) em Baltimore está liderando os esforços científicos do Hubble. A Associação de Universidades para Pesquisa Astronômica, localizada em Washington, DC, opera o STScI em nome da NASA.

READ  Tillman está se candidatando a comandantes da Fertitta

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *