Guerra na Ucrânia: chefe da ONU condena invasão em aniversário

Título do vídeo,

ASSISTA: Chefe da ONU condena guerra na Ucrânia em reunião especial

O chefe da ONU, Antonio Guterres, condenou a agressão da Rússia contra a Ucrânia como uma “desgraça” contra a consciência coletiva mundial, quase um ano depois de se dirigir à Assembleia Geral.

A reunião debateu uma moção exigindo a retirada imediata e incondicional da Rússia, apoiada pela Ucrânia e seus aliados.

A Ucrânia espera mostrar solidariedade apoiando o movimento.

O Kremlin acusou o Ocidente de querer derrotar a Rússia de qualquer maneira.

Vasily Nebenzia, embaixador do Kremlin nas Nações Unidas, disse que os Estados Unidos e seus aliados estão prontos para mergulhar o mundo inteiro na guerra.

Pelo menos 7.199 civis foram mortos e milhares ficaram feridos na guerra devastadora. Para aquele que amaA Rússia e a Ucrânia perderam pelo menos 100.000 de seus soldados mortos ou feridos, de acordo com os militares dos EUA.

Mais de 13 milhões de pessoas se tornaram refugiadas no exterior ou deslocadas dentro da Ucrânia.

A alegação de Putin de que sua ação era necessária para “militarizar e destruir” a Ucrânia, que tem laços históricos com a Rússia, foi descartada como uma manobra para agressão não provocada pela Ucrânia e seus aliados.

“Essa invasão é uma afronta à nossa consciência coletiva”, disse Guterres à Assembleia Geral. “Isso é uma violação da Carta das Nações Unidas e do direito internacional.”

As consequências potenciais de um “conflito em espiral”, disse ele, são um “perigo claro e presente”.

Guterres disse que a guerra “alimenta a instabilidade regional e alimenta as tensões e divisões globais, enquanto desvia a atenção e os recursos de outras crises e questões globais prementes”.

Lá, disse ele, havia “ameaças implícitas de usar armas nucleares”.

“É hora de se afastar dos holofotes”, disse ele.

“A complacência apenas aprofundará a crise, enquanto corroerá ainda mais nossos princípios compartilhados consagrados na Carta. A guerra não é a solução. A guerra é o problema. As pessoas na Ucrânia estão sofrendo muito. Ucranianos, russos e outras pessoas precisam de paz.”

Sessenta países patrocinaram a resolução, que enfatiza a “necessidade de alcançar rapidamente uma paz abrangente, justa e duradoura na Ucrânia, de acordo com os princípios da Carta das Nações Unidas”.

A ONU aprovou uma resolução que não era legal, mas de importância política. A votação será realizada na quinta-feira para marcar o primeiro aniversário da invasão.

No ano passado, a Assembléia Geral votou resoluções semelhantes contra a invasão russa. Em outubro, 143 estados membros votaram para condenar a anexação ilegal de partes da Ucrânia por Moscou. Rússia, Belarus, Síria e Coreia do Norte se opuseram à moção, enquanto 35 países, incluindo Índia e China, se abstiveram.

Título do vídeo,

ASSISTA: Batalha pela cidade de Pakmut se intensifica

Em seu discurso à nação na terça-feira, Putin também anunciou a decisão da Rússia de suspender um importante acordo de armas nucleares depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, fez uma visita surpresa a Kiev e elogiou as democracias ocidentais por enfrentarem a agressão russa.

Biden chamou a decisão de suspender o tratado de 2010 elaborado pelos EUA e a Rússia para evitar a guerra nuclear como um grande erro.

Na quarta-feira, Putin se encontrou com o principal funcionário da política externa da China, Wang Yi, em Moscou e disse que “a cooperação com Pequim é muito importante para estabilizar a situação internacional”. A visita acabou com a reivindicação de neutralidade da China sobre o conflito na Ucrânia.

fonte de imagem, Boas fotos

legenda da imagem,

Uma família coleta sucata este mês fora de um cortiço em ruínas em Isium, na Ucrânia.

READ  Programação dos playoffs da NFL de 2023: transmissão ao vivo, datas, horários, TV para AFC, NFC Title Games

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *