Enquanto a guerra na Ucrânia se arrasta para o segundo ano, a Rússia está isolada na votação da ONU

  • Os combates se intensificam no norte, leste e sul da Ucrânia
  • A Rússia ficou isolada no referendo da ONU pedindo o fim da guerra
  • Líderes do G7 anunciarão mais apoio à Ucrânia
  • Chefe da OTAN diz que russo deve quebrar ciclo de agressão
  • China se prepara para apresentar ‘plano de paz’

KYIV, 24 Fev (Reuters) – A guerra da Ucrânia entrou nesta sexta-feira em seu segundo ano sem fim, com um referendo da ONU pedindo que a Rússia retire suas tropas e líderes mundiais se preparando para aumentar a ajuda à Ucrânia e impor novas sanções a Moscou e países que apóiam isto. Esforço de guerra.

Enquanto os combates se intensificam no leste e no sul da Ucrânia, os aliados da Rússia em todo o mundo mostraram seu apoio no primeiro aniversário da invasão russa.

A Torre Eiffel de Paris iluminou-se com as cores azul e amarela da bandeira ucraniana, usando bandeiras ucranianas, com as mãos sobre os corações e segurando a faixa “Se você defende a liberdade, defenda a Ucrânia” em uma vigília em Londres.

“Haverá uma vida após esta guerra, porque a Ucrânia vencerá”, disse a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, em seu discurso.

A Assembleia Geral da ONU aprovou na quinta-feira uma resolução pedindo à Rússia que se retire e pare de lutar.

141 votos a favor e 32 contra. Bielorrússia, Coreia do Norte, Eritreia, Mali, Nicarágua e Síria juntaram-se à Rússia com seis abstenções.

A China, aliada da Rússia, não votou no referendo da ONU.

Ultimas atualizações

Veja mais 2 histórias

O vice-embaixador da Rússia na ONU, Dmitry Polyansky, considerou a ação da ONU “inútil”.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, elogiou a votação.

“Esta resolução é um sinal poderoso do declínio do apoio global à Ucrânia”, disse ele em um post no Twitter.

As forças armadas da Ucrânia relataram um aumento da atividade russa no leste e no sul à medida que o aniversário se aproxima, com pelo menos 25 cidades e vilarejos em três regiões do norte que fazem fronteira com a Rússia sob fogo.

READ  Conclusões dos playoffs da NBA de sexta-feira: Mavericks nocauteia Clippers; Jogo de Força Mágica 7

A Reuters não pôde verificar os relatórios do campo de batalha.

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou uma invasão em grande escala da Ucrânia em 24 de fevereiro do ano passado, tomando Kiev e derrubando um governo pró-europeu, mas essas esperanças deixaram Moscou constrangida por graves erros militares e de segurança.

No final de 2022, a Ucrânia conseguiu contra-ofensivas para recapturar grande parte do território perdido. A Rússia agora controla um quinto da Ucrânia.

guerra de trincheira

A guerra, que a Rússia chama de “operação militar especial” para defender sua soberania, registrou baixas crescentes em ambos os lados, particularmente este ano na batalha em torno da cidade oriental de Pakmut.

Algumas autoridades americanas e ocidentais estimam as baixas russas em quase 200.000 mortos e feridos, enquanto um importante general dos EUA disse em novembro que 100.000 soldados foram mortos ou feridos em ambos os lados.

As baixas não puderam ser verificadas independentemente naquele que se tornou o pior conflito da Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Milhões de ucranianos fugiram de seu país e dezenas de milhares de civis foram mortos. A Ucrânia e o Ocidente acusam a Rússia de crimes de guerra, mas ela nega ter como alvo civis.

À medida que a guerra prejudicou a economia global e o frio da Guerra Fria se insinuou nas relações internacionais, Putin levantou temores de armas nucleares e sinalizou a disposição de dobrar a pressão no conflito, apesar das grandes derrotas no campo de batalha.

READ  A perspectiva dos Jaguars teve um grande impacto com a perda do OT

Com Zelensky pedindo que Moscou se retire, as perspectivas de paz parecem sombrias.

“Não sabemos quando a guerra terminará. Mas o que sabemos é que, quando a guerra terminar, devemos garantir que a história não se repita”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, à Reuters na quinta-feira.

“Devemos evitar que a Rússia corroa a segurança europeia”, disse ele.

Apoio à Ucrânia

O presidente dos EUA, Joe Biden, se reunirá com os líderes do G7 e Zelenskiy na sexta-feira para marcar o aniversário e anunciar novas sanções contra aqueles que ajudam no esforço de guerra da Rússia.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jack Sullivan, disse que os EUA forneceriam US$ 2 bilhões adicionais em ajuda e que as novas sanções do G7 teriam como alvo países que tentam reabastecer produtos negados à Rússia por causa das sanções.

Uma reunião de líderes financeiros do G20 perto de Bengaluru deve condenar a agressão da Rússia contra a Ucrânia, disse o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, à Reuters na sexta-feira, acrescentando que a Europa está trabalhando em novas sanções contra Moscou.

Falando no primeiro dia da reunião do G20, Le Maire disse: “As sanções se tornarão mais eficientes e eficazes”.

A Índia, atual presidente do G20, tem relutado em discutir sanções adicionais e está pressionando o bloco a evitar o uso da palavra “guerra” para descrever o conflito de um ano, disseram autoridades do G20 à Reuters.

Os Estados Unidos disseram que a China está considerando fornecer armas à Rússia para escalar o conflito entre a Rússia e a China, por um lado, e entre a Ucrânia e a OTAN liderada pelos EUA, por outro.

Putin saudou na quinta-feira “novas fronteiras” nas relações entre Moscou e Pequim e disse que o presidente chinês, Xi Jinping, faria uma visita. Espera-se que Xi faça um “discurso de paz” na sexta-feira, embora alguns analistas estejam céticos de que os esforços de paz da China irão além da retórica.

READ  'Busca e resgate' em andamento quando o submarino indo para o Titanic desaparece

O Ministério das Relações Exteriores da China disse em um comunicado na sexta-feira que o diálogo e as negociações são a única maneira viável de resolver o conflito.

A Ucrânia e seus aliados dizem que a invasão é uma apropriação injustificada de terras com o objetivo de subjugar um estado soberano.

Aumentando ainda mais as tensões, Putin anunciou planos na quinta-feira para implantar novos mísseis balísticos intercontinentais Sarmat este ano. Nesta semana, ele suspendeu a participação da Rússia com os Estados Unidos no Novo START, ou Tratado de Redução de Armas Estratégicas, sobre controle de armas nucleares.

O foco militar da Rússia é tomar as regiões ucranianas orientais de Donetsk e Luhansk, que formam uma região industrial perto da fronteira russa chamada Donbass.

Uma série de explosões foi ouvida na quinta-feira perto de um parque de tanques ucraniano perto de Pakmut, que se tornou um dos principais alvos russos.

“Se desistirmos de Bakmuth, todo o resto se tornará mais complicado. Não podemos desistir em nenhuma circunstância. Vamos cumpri-lo”, disse o sargento Ole Slavin, um operador de tanque, à Reuters.

Reportagem de Max Hunter e Dan Belezuk em Kiev; Reportagem adicional de Yiming Wu perto de Pakmut; Escrito por Mike Collette-White, Grant McCool e Michael Perry; Edição por Andrew Havens, Diane Croft, Himani Sarkar e Kim Coggle

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *